Na Parte Dois da nossa discussão com o Marilyn Manson, nós penetramos em seu próximo álbum, Born Villain, e seu primeiro single, No Reflection.

Na primeira parte da nossa entrevista exclusiva com o Manson, simplesmente oferecemos uma interpretação visual do Born Villain, no qual obtivemos uma resposta detalhada do artista. Manson nos autorizou uma rara visita dentro de seu modo de pensar enquanto preparava e escrevia o novo álbum, que incluiu um isolamento voluntário em um lugar com o chão preto e paredes brancas.

No próximo capítulo de nossa discussão, Manson fala sobre o novo álbum, o vídeo da No Reflection, seu uso metafórico de zumbis, sua rejeição em psiquiatria e muito mais:

Voltado àquele lugar onde você já teve sucesso criando coisas (Manson pintou seu primeiro quadro lá), isso ajudou a soltar a faísca novamente?

Não acho que tenha sido uma fórmula que possa ser descoberta nesse sentido, mas eu acho que acredito muito em destino e sincronização. Se fosse para compararmos algo - por exemplo, eu assisti àquele filme que o David Cronenberg fez sobre Jung e Freud, Um Método Perigoso, e eu não acredito em psiquiatria. Acredito muito em psicologia ou gostaria de aprender sobre isso - Sou alguém que gosta de aprender sobre tudo. Fui para a escola Cristã e não sou religioso no sentido convencional. Eu fui para a Passover (NT: A páscoa dos Judeus) e não para o Domingo de Páscoa (risos). É incomum porque eu não sou Judeu, mas eu fui com o meu amigo Eli Roth até sua casa. Sou alguém que é mente aberta para novas experiências porque elas te ensinam coisas novas.

Não acredito em psiquiatria porque acho que é bobeira, um maneira completamente irracional de pensar as coisas e eu não acredito nos Alcoólicos Anônimos. Eu fui para a reabilitação, eles tentaram me colocar num hospício. Passei por todos os processos e aprendi um balanço bem simples, e era, "Tente fazer com que os altos sejam melhores que os baixos." Quando você está feliz, beba. Quando você está infeliz, não beba, porque vai deixar as coisas piores. Pode parecer uma conclusão lógica bem simples após muitos anos, mas é importante para mim perceber que é para ser legal - fazer arte.

Você faz para expressar seus sentimentos e suas opiniões e você deve se divertir enquanto está fazendo. Não é para ter tanto esforço após o processo. Então muitas vezes eu faria uma música, por exemplo, e enquanto eu estava fazendo esse vídeo recente que eu fiz (No Reflection), virou... Eu não estava dirigindo, autorizei alguém a dirigí-lo. Eles estavam demorando muito tempo movendo as luzes e eu disse que a música - me levou menos tempo para escrevê-la. Então eu fiz sozinho. É meramente adaptar à situação. É quase uma maneira fácil, o que é uma grande metáfora e se aplica à recente Páscoa que acabamos de passar - um zumbi.

Eu gosto de filmes de zumbis, eu gosto de The Walking Dead, gosto da metáfora disso, simplesmente porque quando você vai com o conceito de zumbi - se você é mordido por um zumbi, você não se transforma em outra coisa tipo um vampiro ou um lobisomen ou qualquer coisa assim. Você vira algo que não é você. Você não vira algo que é diferente ou algo que é evoluído, você vira algo que não existe. É morto-vivo, então você vira o fator zero e é incomum para mim. Então há muitas coisas no disco que não são inspiradas em filmes de zumbi, mas que eu gosto da metáfora e porque o primeiro zumbi podemos dizer que é Jesus, porque ele morreu e voltou três dias depois - isso é um zumbi. Então eu acho que essas metáforas existem no disco e na The Flowers of Evil.

Não estou tentando renascer e não estou tentando ressuscitar, não estou tentando reencarnar, eu estava tentando transformar, e isso não é o mesmo que zumbis, mas eu estava tentando me transformar em algo que ainda não tinha virado. É isso que qualquer um em vida deveria sempre querer fazer. Quando você está em um relacionamento, se você rompe de forma regular, as pessoas são atraídas por algo e é isso que elas querem ser, e é isso que você deveria ser e, para mim, é bem simples - se eu conheço uma garota e digo, "É isso que gosto em você. Continue. Todo dia." eu gosto da mesma coisa todos os dias. Não preciso de mudança porque minha mente é cheia de tornado e caos, realmente não preciso de mais agitação, ou outras garotas, ou qualquer coisa. Apenas seja o que eu gosto e continue. E então, de outro ponto de vista, para mim, tenho certeza que é um pesadelo estar envolvido comigo, mas não é tão complicado assim. Se você gosta de mim, eu sou o que eu sou, mas se eu começo a ser algo menos do que você gosta, então há um problema. Mas não pense, "Bem, eventualmente eu esperava que você mudasse." E isso é quase como dizer, "Esperava que você virasse um lobisomen ou um zumbi," ou algo estúpido assim.

Aprecio o fato de que na minha vida pessoal, as pessoas mais próximas a mim tiveram fé o suficiente ou acreditaram em mim. Então essa foi a primeira parte do que eu precisava para fazer esse disco. Eu queria que as pessoas que acreditavam em mim ficassem orgulhosas de que fizeram a escolha certa. Sabe, é quando você assiste progrmas que eu gosto na TV - Californication ou Eastbound & Down. Eles têm personagens que eu gosto por algum motivo, porque eles são o cachorro que cagam no tapete, mas você ainda cuida deles e você sabe que eles podem fazer melhor. Tenho sorte de que as pessoas próximas a mim acreditaram.

Esse foi o meu primeiro objetivo, fazer música para impressionar e provar às pessoas que acreditaram em mim - pessoas que eu conheço ficariam motivadas. Então eu tive que colocar para fora aqueles sentimentos para as pessoas que eu não conheço. Tenho que ir para o palco e cantar esses sentimentos para pessoas que eu não conheço. E virou algo excitante e fácil para mim perceber que eu só preciso provar o que eu sou com o que eu faço. Essa é a mesma coisa que eu fiz no começo. Não estava tentando voltar para trás, mas eu cheguei à conclusão de que eu estava pronto para fazer o que eu faço. Está na natureza. Não sabemos com certeza o que os animais sentem, mas uma cobra faz o que faz. Não tem preocupações, apenas faz o que faz - coelhos, gatos, leões. É tudo sobre confiança e instinto de coragem.

Você mencionou a gravação do videoclipe da No Reflection. O quão perto o vídeo está do visual que você teve em sua mente enquanto escrevia a música e o que fez você escolher essa música para ser o primeiro single?

Bem, isso foi, estranhamente, algo que eu não tive visualmente na minha mente quando escrevi, no qual eu faço com frequência. Pedi ao Lukas Ettlin, o diretor, que também trabalhou com o Alan Lasky, que é a pessoa que providenciou a câmera que criou o efeito em câmera lenta que ninguém tem acesso além de mim. É de uma empresa Alemã que acreditou em mim como um artista visual e queria que eu usasse a câmera deles. Então pedi ao Lukas para que ele escutasse a música e me dizer o que ele faria, porque eu gosto de colaborar. Se eu digo a alguém o que eu faria, eu deveria fazer sozinho, mas eu queria ouvir a opinião de mais alguém e eu não teria pensado naquilo e eu adorei como saiu. Completamente o que eu não teria pensado.

Escolhi a música como primeiro single porque eu pensei que fosse quase como se o disco fosse um filme, essa é a música que eu usaria para o trailer, porque eu pensei que representava o álbum. Tinha o espírito do disco e tinha atitude do álbum. Não estou dizendo que penso nela como o "grande single" ou qualquer coisa assim, porque eu não penso assim. O mundo mudou para um lugar que é quase que exatamente, de um jeito ótimo, como eu comecei: Onde eu não pensava assim. Eu não pensava "Tenho que escolher uma música que tenha três minutos e quinze segundos" e toda essa besteira. Simplesmente essa é a música que eu gosto, que eu quero que as pessoas ouçam e é o começo. Você obviamente não quer dar um filme inteiro em um trailer, e foi assim que eu pensei sobre a música quando a escolhi.

Eu perguntei isso porque o álbum passa essa sensação - um álbum. Não tinha certeza de como você escolheria apenas uma música.

Normalmente, no passado, e eu estou muito, muito, muito, muito, o tanto "muito" que você quiser, feliz de ter estar fora da Interscope. Me deu uma nova perspectiva, que é muito semelhante à minha perspectiva original em fazer música. Não pensei em nada a não ser fazer pelo motivo que eu queria que as pessoas sentissem algo, e eu não tinha minha cabeça preenchida com toda a besteira. No passado, só vou dizer que toda banda que esteve em meus discos anteriores, eu fiquei orgulhoso. Quando eu fui para uma gravadora, o que eles fizeram com isso não foi sempre o que eu queria e o que eu fiz, e ter aquela perda de controle é uma coisa bem ruim e muito difícil de lidar. Então eu lidei com isso, e isso faz parte, não vou reclamar, não vou processar ninguém.

A coisa boa é que eu saí da gravadora porque eu disse ao Jimmy Iovine que ele não era esperto o suficiente para entender o que eu faço. Isso foi antes do The High End of Low, então claro que eu fiz um inimigo, mas eu não estava insultando ele, eu só estava dizendo que ele não estava ouvindo seus próprios instintos. Você assina algo por um motivo. Se você quer mudar o que você assinou, é algo idiota do ponto de vista de negócios, faz você parecer estúpido, mas eu estava tentando explicar que não era pessoal, era só um ponto de vista objetivo e eu só pedi para que rompêssemos. Aquilo não acabou tão rápido, então quando eu saí do relacionamento e fui para uma nova gravadora, me fez sentir, finalmente, como me senti no começo. Eu poderia ter ficado sem gravadora, mas a Cooking Vinyl... Uma atitude muito forte que eles queriam que eu fizesse o que eu faço. "Apenas continue o que você faz." Todo o padrão, na verdade eu caí em um padrão que algumas pessoas talvez achem difícil de acreditar e eu não vou reclamar disso, apenas olhei objetivamente para isso, onde eu faria algo e sempre haveria, "Ok, veremos se tudo isso está certo para o lançamento, veremos se irá funcionar." Foi quase como estar na escola Cristã novamente, onde você faz algo que eles querem que você faça, para te controlar, claro. Uma vez que você esteja nesse papel, você realmente não pode fazer nada. Eles queriam estar no controle, mas é por isso que a indústria da música ficou uma merda, porque as pessoas estavam tentando pensar pelos artistas. Pessoas que não são artistas de maneira alguma, ou até patronos da arte ou musas, ou qualquer coisa relacionada, sempre tentarão controlar ou odiar e, para mim, ficar fora desse relacionamento, libertou minha energia e eu finalmente posso fazer isso e aproveitar - que é o que devo fazer (risos). Esse é o ponto.

Fique ligado para as duas partes finais de nossa extensiva e profunda entrevista com o Marilyn Manson, onde discutimos a evolução da percepção do Manson pelo olhar público e a libertação do West Memphis Three.










10.01 @ Van Buren
12.01 @ House of Blues
13.01 @ House of Blues
16.01 @ Fox Theatre
19.01 @ The Complex
20.01 @ Fillmore
23.01 @ Aztec Theatre
24.01 @ House of Blues
26.01 @ Shrine Mosque
27.01 @ Brady Theatre
[ ver mais ]

KILL4MESAY10We Know Where You Fucking LiveMarilyn Manson - Prêmio de Ícone pela Alternative Press (2016) Third Day of a Seven Day BingeThe Mephistopheles of Los Angeles


ver +

facebook.com/marilynmanson
marilynmanson.com
twitter.com/marilynmanson


2008 - 2017 ® Marilyn Manson Brasil | Todos os Direitos Reservados